Destaque para outras Almas Nuas

Cosméticos Profissionais

Blog Foco na Rotina

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

O Natal Nosso de Cada Dia


Depois da minha infância passei a ter uma visão bem negativa e realista demais sobre o Natal. Toda aquela 'magia natalina' não me contagiava e francamente, eu detestava Natal. Tentava beber todo vinho possível para me embriagar e o tempo passar logo. Mas este ano, alguma coisa mudou... Algo me dizia que era cruel demais dizer que Papai Noel não existe.

Então, o Natal pra mim chegou em Janeiro deste ano. Queria que, quando chegasse Dezembro eu tivesse uma outra postura diante do Natal. Reli tudo o que havia escrito até então sobre a festividade. Pensei que em vez de estragar o Natal e a crença dos outros, deveria viver a data como eu a compreendo.

Fiz caridade durante o ano e fora de épocas comemorativas. A cada nova estação fiz faxina como a que fazemos no fim de ano e tudo o que não servia pra mim e servia para alguém foi doado.

Orei a agradeci a Deus todos os dias pela família, pelos parentes, pelos amigos, pelos meus vizinhos e não esqueci os prováveis inimigos. Toda vez que preparava o almoço e jantar fazia como se fosse já a ceia de Natal. Agradecia a mesa farta, minha família sentada à volta da mesa e sempre que recebia algum familiar que vive aqui perto, recebia como se já fosse Natal.

Dei presente fora de época para vizinhos, amigos e parentes. Não os comprei, eu mesma os fiz. Usei os pisca-piscas na Primavera em meio a decoração com flores. Comi Panetone e Rabanada no meio do ano. E desejei que as pessoas que tanto amo e que estão longe estivessem conosco, mesmo aquelas que já partiram.

Em Novembro desci ao porão para pegar a árvore, os enfeites e as luzes. E percebi que eu havia mudado muito durante o ano. Minha casa tornou-se cada vez mais meu santuário e não somente meu ninho. Minha família tornou-se meu sagrado e uma extensão de mim. E Deus passou a ser o meu Papai Noel, não só do céu.

Passei a respeitar mais a crença dos outros e compreendi que não importa em que as pessoas acreditam: ninguém tem o direito de tirar-lhes a fé, seja no que for. Talvez, a pessoa só tenha isso para se apegar e continuar a ter um propósito na vida.

As pessoas distantes passaram a ser mais importantes ainda. A distância criou uma saudade intensa e com a saudade percebi o quanto amo estas pessoas.

Houve momentos no ano que a mesa não esteve tão farta. Foi só então que percebi quantas pessoas passam não só o Natal, mas o ano todo privado de comer bem. Passei a sempre oferecer algo para comer a quem quer que fosse e compartilhar mesmo que houvesse tão pouco.

Este ano, a decoração de Natal não foi uma obrigação. Sentia um nó na garganta a cada enfeite colocado, pois em cada um surgiu a lembrança de cada dia deste ano. Neste Natal não darei presentes e não farei caridade... Só irei celebrar a benção de ter uma família maravilhosa formada de parentes, marido, filhos, cunhados, sobrinhos, pais, sogra, vizinhos e amigos. Irei celebrar a existência de um Deus que esteve entre nós e que não se importa com o modo que cremos Nele nem se negamos sua existência: Pedro negou Cristo três vezes e mesmo assim Jesus o amou.

Descobri que o Natal está nos preparativos para a festa. Está na trabalheira de fazer toda a comida que será devorada em instantes. Que não é o presente é o abrir o pacote e ser surpreendido. Que não é a comida, mas todos sentados à mesa comendo juntos. Que não é a casa que recebe e nem os enfeites caros ou baratos, são as pessoas que se amam juntas. Que não é a decoração, é a bagunça que fica depois. Que não é apenas um Deus ter nascido como homem, mas ser também Deus.

Viverei de certo um Natal como a muitos anos eu não vivo. Aquela magia encantadora retornou como a criança dentro de mim. Meu Natal será como o de todo mundo, portanto para mim um Natal normal. Não tão normal, pois é mais rico e mais verdadeiro, com maior significado, pois o vivi durante todo o ano.


Feliz Natal a todos vocês, queridos! Que para Cristãos o Cristo renasça todos os dias em nosso coração. E que para Pagãos não importa se Sol Invencível ou Sol da Justiça, não importa como seja a Força Maior sobre nós: ao que cremos e depositamos nossa fé seremos gratos.

E que através de nossa crença pessoal, não só esta data, mas cada dia de nossa viva seja sempre Natal!

Licença Creative Commons
O Natal Nosso de Cada Dia de Shimada Coelho é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja Bem vindo!
Obrigada por comentar!