Destaque para outras Almas Nuas

Cosméticos Profissionais

Blog Foco na Rotina

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Naqueles Dias...


Hoje estou naqueles dias... Aqueles que parecem ser maioria na minha vida...
A inspiração já respondeu a chamada, a criatividade está presente, minha mente transborda idéias e eu vivo me perguntando: '- Mas pra que?'. Não é bom quando esta pergunta lateja...

Então, olho pela janela e contemplo o céu e fico esperando que o Sol se decida firmar - não arder - para eu também decidir e ir até a praia. Preciso de um banho de Mar... Preciso olhar aquela imensidão toda de água e me sentir pequenininha e insignificante... Não me considero grande, mas é bom saber que sempre haverá algo muito maior que eu, que os outros, que os problemas, que os sonhos, que tudo!

Vasculho a crença dos outros, busco por religiões para acrescentar rituais na minha vida, pois os rituais cotidianos estão me matando de tédio. Lembro-me que não suporto mais religião! Lembro-me que Deus nada tem haver com elas. Lembro-me que voltar atrás é retroceder no caminho...

Sinto falta do que só eu vejo e ouço... Tudo fica muito mais real! Os outros mundos estão tão quietos e parece que resolveram assistir nossas constantes decaídas... O ser humano acredita mesmo que evoluí!

A realidade vai criando banalidades que aprisionam e cegam ainda mais, são bem aceitas porque ninguém quer ver! Ninguém vê! Um chicote de influência dilacera o tempo todo obrigando uma padronização que eu repudio: quero e gosto de ser eu!

Meus tantos cabelos brancos que povoavam minha cabeça começaram a cair, então acredito que seja porque parei de olhar para o Futuro e passei a viajar mais no Passado. E lá que está tudo que esteve ao alcance das mãos e não fomos capazes de segurar! No Futuro nada há...

Só sabemos o real valor das coisas quando perdemos... Só sabemos o que queremos quando não temos... O Passado é um museu de coisas que precisam ser jogadas fora, mas também é um mausoléu onde o que realmente importa ficou exposto num altar, pois não cabe na modernidade.

Gostaria de ser vinte anos mais jovem: ainda seria eu! Eu iria me atrever mais! Cansei de andar nas veredas da justiça: queimei minhas bandeiras e todas as minhas causas em praça pública. Ninguém quer ver... Ninguém quer saber... Se um meteoro cair sobre nossas cabeças será apenas mais uma desculpa para olhar para o próprio umbigo e agir impensadamente... Sinto falta de ser impulsiva e agir sem pensar, movida apenas pela vontade...

Cansei de me policiar... Cansei de tentar ser melhor... Não está me levando a lugar algum... Quero quebrar minhas regras, porque da sociedade já quebrei... Devoro um bom pedaço de carne e o organismo reage violentamente. Meu corpo acostumou-se a ser ‘bom moço’... Ele geme o que deseja junto a todas as suas vontades loucas, suas ganas absurdas, mas reprime-se: não sou vinte anos mais nova.

Alguém diz: '- Você precisa sair!' - e eu sempre respondo: '- Mas pra que?'.

Hoje estou naqueles dias que nenhum dia fez sentido, e nada que eu faça para quebrar essa energia fará sentido também. Melhor mesmo é sentar e olhar para as paredes... Nestes dias que parecem maioria, minha maldição se torna benção e me arrependo de ter pedido para que as imagens não apareçam e as vozes não falem: a realidade são acontecimentos trivialmente bestas...

Mas o que há de ruim em tudo isso? Tem gente no mundo em estado muito pior! Sofrimento, dor, angustia e problemas, essas coisas não se medem! A dor do dedo batido é a mesma da dor do coração partido: a intensidade não é a mesma! A arma que mira mata e também rouba, mas quem já não roubou, matou e morreu sem empunhar arma alguma? Já me matei tantas vezes e tantas vezes eu morri... Já me mataram tantas vezes e surpreenderam-se cada vez que revivi... Perdi a conta das vezes que me roubaram... Fui tão morta quanto viva: morta-viva! Não é preciso descer à sepultura pra se estar morta... Quanto morto ainda parece ser tão vivo! Interessante são os mortos que acreditam estar vivos, querendo levar todos que estão ao seu redor para o mesmo abismo... Há quem não vive e não permite que os outros vivam também...

Não, nada disso é ruim... O mal só existe na mente de quem o criou! Viver não é apenas correr pela estrada florida e se perder nos campos de rosas: é também ver o Outono secar tudo e os espinhos ferirem... Viver não é apenas alegrias, paixões inebriantes, desejos realizados, impossibilidades em ser contrariado, nem ter tudo o que se quer... Viver também é ter a porta fechada na cara, é chorar e sentir dor, são as decepções de amor, é a paixão platônica - quão prazerosa ela pode ser - é ouvir tantos 'não', é nada ter...

Está com peninha? Não sinta isso:sentimento desprezível! Eu tenho aceitado a vida como ela é: escalar uma montanha é uma aventura e um desafio marcante, inclusive as possibilidades de quedas e lesões! Viver é sentir tudo!

Não senti prazer quando fui parida... Não sentirei ao morrer... Eu prefiro o trajeto! Minha caminhada é como aquele rosto bonito com olhar sombrio e atraente que nunca vi, mas cujos lábios me são como uma flor de cor suave, entreaberta esperando que eu lhe roube o mel. Se eu quiser, irei saquear a flor até me fartar, mas meu prazer está em apenas desejar isso.

Acredite em mim: é de fato uma delícia viver!


Licença Creative Commons
Naqueles Dias... de Shimada Coelho é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported.

Um comentário:

  1. Olá, Alma Nua!

    Dificilmente deparo-me com texto quão cativante quanto o teu, pois o teu texto me serviu de moira a guiar o meu afã de viver cada palavra,cada frase que me envolveu numa deleitura belíssima como se fosse degustando o sabor que a vida nos proporciona com todos os seus paradoxos! CARPE DIEM!

    ABBRAÇOS FILOS!

    ResponderExcluir

Seja Bem vindo!
Obrigada por comentar!