Destaque para outras Almas Nuas

Cosméticos Profissionais

Blog Foco na Rotina

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Nâo Morrerei

Infelizmente, desconheço o autor da imagem...


Eu preciso dormir...
Mas o corpo não quer se entregar a cama...
Eu preciso ensurdecer...
Mas os ouvidos são antenas
Captando todos os mínimos ruídos...
*
**
*
Eu preciso calar...
A voz que grita
Dos lábios inertes...
Ressequidos pela mudez
Preciso calar esse som que sai...
Mudo...
Mas agudo...
Como navalha cortando a pele...
E flui...
Como uma onda gigantesca
E assustadora...
*
**
*
Eu preciso comer...
Mas a boca muda
Se fecha para o som que sai
E para o alimento que entra...
Só a Alma está aberta...
Só ela se alimenta...
E o trapo perece...
Torna-se saco vazio...
Não tão vazio...
Pois a Alma lá dentro engorda...
*
**
*
E eu preciso retirar esse peso...
De cima dos ombros...
De dentro da cabeça...
Da pança que incha...
Murcha...
Cresce...
Desaparece...
Como meu Eu...
Que tento matar todo dia...
Assassinar em grande agonia...
*
**
*
Eu preciso aliviar...
Soltar meus dejetos...
Defecar minhas entranhas féditas...
Lavar a alma...
Esvaziar...
Para preencher até saciar...
*
**
*
Eu preciso escrever...
Não um livro...
Escrever idéias, pensamentos,
Raciocínios, devaneios...
Quero escrever...
Pois é quando surto...
É quando alucino...
E posso vomitar e engolir de volta!
Ruminando...
*
**
*
Mas...
*
**
*
Eu preciso viver!
Desprezo a morte.
Quem disse que quero morrer?
Que morte que nada!
Quero viver!
Muito...
E bem...
*
**
*
Não esperem que eu atente contra mim...
Não esperem que eu me exponha ao perigo...
Enlouquecerei um pouco a cada dia...
Até o fim do grande começo...
*
**
*
Há quem diga:
- Cuide-se, ou irás definhar!
Não morrerei!
Nem a Morte este gostinho tem!
*
**
*
Não serei objeto guardado em urna...
Não serei pó e nem cinzas...
Nunca fui metade,
Jamais serei restos.
Serei semente...
Plantada em lodo, lamaçal
Ou num monte de esterco...
Ali... Seja lá onde for...
Renascerei!
*
**
*
Deixem-me viver então...
Seja lá como for...
Pois não há afronta da Morte contra mim...
Eu já limpei meus pés
Na barra de seus vestidos negros!
*
**
*
Deixem-me viver...
Dormir enquanto caminho...
Ouvir com a pele...
Falar com os olhos...
Comer vento...
E também conhecimento...
*
**
*
Então defecarei minha ignorância...
Vomitarei minha arrogância...
Pois só então...
Desse modo...
Pra sempre viverei!
*
**
*
- O que é que esta louca grita?
Não queira entender...
Sou impossível de compreender...
E por favor...
Não me compreendam...
Já me acostumei assim!
*
**
*
Deixem-me viver..
E alucinar na vossa sanidade!
Deixem-me cuspir em vossa integridade!
Arregalem os olhos enquanto minha boca espuma...
Corram ou arrancarei a dentadas vossa hipocrisia!
*
**
*
Deixem-me... Louca...
Mas não esperem que eu morra....
Pois não nasci para morrer!
*
**
*
Descabelem-se indignados!
Não há lágrimas em minha face...
Não há derrotas que me enfraqueçam...
Não há frustração... Não há agonia...
*
**
*
Lamentem-se e contentem-se...
Pois na minha rebeldia...
Meu livre arbitrio é minha liberdade.
E mesmo que eu rasteje...
Me arraste para seguir...
Sorrio...
Gargalho...
Pois não vou morrer!
*
**
*
-=Shimada Coelho=-

Publicado no Recanto das Letras.
Texto com o código T1585600

Respeite os Direitos Autorais.
Dê ao autor os devidos créditos.



Creative Commons License
Não Morrerei by Shimada Coelho is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja Bem vindo!
Obrigada por comentar!