Destaque para outras Almas Nuas

Cosméticos Profissionais

Blog Foco na Rotina

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Refutar




Ás vezes, algo me arrebata de súbito e parece que por uma fração de segundos morri. Esse algo é um tipo de consciência .. Consciência lúcida de que estou e logo não estarei mais aqui. É desesperador!

Nesta ida e vinda mais veloz que a luz e o pensamento, retorno ao mundo que não parece mais o mesmo. Acredito que cada vez que isso acontece eu morro e logo volto a Vida, pois a sensação é de ter que recomeçar tudo de novo. Deve ser por isso que perdi as contas de quantas vezes tentei sair da caverna e não voltar mais a ela... Mas volto... Feito um bichinho medroso querendo se esconder.

As vontades da carne são tão satisfatórias quanto satisfazer essas vontades. Mas um dia, minha Alma desceu ao meu mais profundo abismo onde se encontra meu Inferno pessoal e tomou pra si as chaves. Naquele lugar sombrio o ranger de dentes é de raiva. Os sussurros são preliminares deliciosas. Os gemidos é a vontade revelada em gana. São tantos demônios presos desejando voltar a superfície...

Quando estou sozinha não há contas pra pagar, não há tarefas a cumprir, não há o tempo certo, nem obrigação, nem aprovação ou reprovação... Não há casas e edifícios, nem ruas e vielas, nem café da manhã e jantar, nem a roupa certa e discreta a vestir, nem o modo certo de sentar... A única coisa que enxergo é dentro de mim... Um misto louco de falsas realidades - falsas que não sei ao certo qual delas de fato é a real. Avalanches de ilusões querem me cobrir dos pés a cabeça. Fontes jorram constantemente com ideias, formas, absurdos, especulações, questões e mais questões. Não dá tempo de me focar nas respostas: elas trazem novas questões. Dúvidas não... Questões!

Desejei bater minha cabeça na mesa de madeira e achei que a parede era mais sólida mas não tive coragem... Não foi falta de coragem... Foi o salto contínuo que o pensamento dá e já antecipa o próximo resultado. Eu sentiria dor! E todo meu esforço ano a ano é anular a dor.

A rainha da minha Vida é minha Alma. Ela é insistentemente adequada e rígida. Seu manto é a moral, seus vestidos são virtudes que esperam pedras preciosas para bordar cada uma delas. Ela não precisa de sapatos enquanto eu não posso pisar em qualquer superfície com os pés nus.

Por que este policiamento vinte e quatro horas por dia? Por que andar o caminho pré determinado o tempo todo? Por que este esforço descomunal para praticar o Bem, a justiça e a verdade? Não falo de Verdade Absoluta... Ela é um meteoro que se desintegrou na atmosfera. Falo da verdade vã... Da noção de certo e errado, da sinceridade e da honestidade.... Pra que sinceridade quando o mundo entende isso como fatalismo negativo e sensacionalista? Por que a honestidade se a desconfiança sempre coloca um pé atrás e um punho em prontidão na frente?

Eu vi Moisés sozinho entre as pedras, raciocinando como poderia obedecer aquela voz invisível que lhe pediu para levar aquela gente ingrata para uma Terra Prometida onde já haviam donos... Havia mesmo um voz que bradava do céu ou ele era um esquizofrênico desmedido? Em seu corpo, sanguessugas famintas por conhecimento vomitaram respostas... Outro dia falei e repito: o Mundo dos Homens tornou-se o Reino dos Sábios. Agora, um título impactante em destaque já resume uma informação que é devorada sem ser mastigada, ingerida, questionada e logo em seguida é vomitada como verdade incontestável  Todo mundo sabe de tudo e diz que 'tem muito ainda que aprender' pois isso dá um ar de humildade e corrobora para a imagem de sabido. Tudo bem... Tudo o que sei não aprendi em livros... Nem consigo lê-los. A Vida foi mostrando e eu não me importei em ver. Não tive medo dela e questionei. Ela me ofereceu em uma bandeja tudo o que me permiti experimentar...

Depois de tanto raciocinar e elaborar, Moisés teve uma tão grande ideia que foi perpetuada e hoje a chamam de Sistema. Ele conseguiu cumprir sua missão, o homenzinho abandonado pela mãe - sua ama seca tão cheia de remorso. O filho ilegítimo do faraó foi deixado para trás por nunca ter em suas veias um sangue nobre. E todo seu conhecimento adquirido se mostrou imperfeito por não perceber que anjos e demônios não disputavam exatamente seu corpo mas, sua brilhante ideia. Foi ali que o mundo foi transgredido...

As pessoas comuns - estás que formam a grande tuba - ainda não compreenderam o valor e o poder do Tempo... E foi no Tempo lento e sutil que pouco a pouco o mundo inteiro foi envolvido e enganado. 

"Que escândalo  Não diga o que pensa ou irão te condenar a fogueira! Ei-nos em Guerra Santa!". Acreditaram que falar é fazer... Acreditaram tanto que o errado é feito o tempo todo e ninguém tem forças para desfazer porque acreditam que falar basta. Acreditam que o errado é a coisa a ser feita!

E lá vem de novo o Tempo... Quem pode regredir no Tempo e mudar o rumo das coisas atuais? Sinta-se com sorte: cada um nasceu para ser o que é! Mesmo a mais fútil e superficial criatura acredita viver bem e ser repleta! 

O criminoso acredita mesmo que o que faz é certo! A fútil acredita mesmo que sabe viver! O religioso acredita mesmo que foi instruído dentro da Verdade Absoluta! O vaidoso acredita mesmo que tem amor próprio e é desejado!

Vez ou outra eu fujo para minha varanda branca onde meu olhar pode caminhar... Eu vejo as mudas no jardim frontal que brotam, o lago onde os cisnes pousam para nadar, as montanhas que emolduram o nascer e o por do sol... Alguém passa e vê meu olhar vago e perdido e pergunta: "- O que foi?". Eu me incomodo por me trazerem de volta a este cenário doentio...

Licença Creative Commons
Refutar de Shimada Coelho é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja Bem vindo!
Obrigada por comentar!