Destaque para outras Almas Nuas

Cosméticos Profissionais

Blog Foco na Rotina

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Prisões




As vozes que ecoam no espaço/tempo são
Quão raiar incandescente da Aurora...
Seja neste presente ou no futuro, como outrora,
A verdade que liberta nascerá na prisão.

Em celas que quatro paredes mofadas:
As manchas de mofo revelam cenas reprimidas,
Sofrimentos e dores vazam pouco a pouco de feridas,
Sempre abertas e ardendo questões inacabadas.

Se há janela - que seja pequena - na solitária prisão,
Revela a grandeza do mundo cabendo em um olhar...
Desperta um sonho de liberdade criando asas para voar,
Embora os vidros riscados e manchados distorçam a visão.

As celas com grades são mais que uma jaula,
Limitam vontades impossibilitando seguir além...
Mesmo esticando os braços - é o limite - nenhum alcance tem,
Transforma a gaiola precária em sala de aula.

Há prisões que são casas, pois há quem tenha medo de ganhar o Mundo,
Sabendo até quantos passos existem entre a porta e o portão...
Sentem-se seguros - mero engano - mergulhados na solidão,
Nãos abem que o medo é livre e procria em seu mais profundo.

Mas a mais incrível das celas é feita de osso e carne!
Também limita, distorce a vista, sofre em dor...
Mas a desejada liberdade só leva ao vôo no desencarne,
Não importando o quanto que da Morte sinta pavor!



Licença Creative Commons
Prisões de Shimada Coelho é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja Bem vindo!
Obrigada por comentar!