Destaque para outras Almas Nuas

Cosméticos Profissionais

Blog Foco na Rotina

quarta-feira, 7 de março de 2012

Desenhando Espaços Físicos



O Espaço Físico é uma concepção da Física onde se compreende tradicionalmente três dimensões: altura, largura e comprimento. Automaticamente relacionamos estas informações à matéria que apresenta várias propriedades como massa, extensão, impenetrabilidade, divisibilidade, compressibilidade e elasticidade. Logo compreendemos massa como objetos, embora todos os corpos possuam massa.


A matéria apresenta estados físicos: sólido, líquido e gasoso que refletem a adaptação da massa a um determinado ambiente a que é exposto através de 'mudanças de estado'. 


Este conjunto de informações básicas aprendidas ainda no primário leva-me a profunda reflexão. Se observarmos tudo o que diz respeito a Natureza concluímos que tudo parece obedecer uma ordem desde o início de sua existência, mesmo que tenha se adaptado ao meio em que vive de acordo com as alterações geográficas e climáticas. O ser humano não é assim!


Pela milésima vez na minha Vida releio a passagem bíblica que fala de Adão sendo colocado no jardim e sua tarefa de dominar sobre tudo. Entende-se hoje em dia que dominar seja subjugar, mas a tarefa de Adão era de administrador embora minha mente não consiga conceber como um sistema tão perfeito quanto este que rege toda a Natureza necessite de um. A interferência do homem no sistema natural apenas afeta negativamente... Mas, compreendo que a tarefa de Adão lhe foi atribuída para que ele aprendesse algo com o sistema natural, já que era um ser precoce em relação aos demais seres existentes. Seu domínio era limitado.


Se formado por um Criador ou uma conseqüência evolucionista o ser humano é o único ser que não consegue se adequar ao sistema natural como vemos entre animais e suas espécies. O ser humano até hoje ainda não aprendeu! Mas que se dane, não é mesmo? Cada um com seus problemas, cada um no seu quadrado! "Estou bem porque recebo as consequências do meu esforço!" . Não importa a que custo, não importa em quem seja afetado, é cada um por si! Perdeu-se o senso de tudo: de limites, de dimensão, de tamanho, de abrangência...


Talvez o motivo seja por ser dotado de livre arbítrio... Talvez ele possa ver-se apenas como indivíduo e prefira muito mais esta visão sobre si do que se imaginar renunciando seu direito de escolha em prol a um sistema coletivo. Na natureza humana é muito melhor receber do que doar! 


Embora a Lei da Física dite que a massa obrigatoriamente ocupe um determinado espaço conforme seu estado e sua dimensão o ser humano está longe de adquirir uma noção de limites. Quando o assunto é fazer o que quer - ou seja, usufruir seu livre arbítrio - ele se comporta como uma alma: sem limites e imortal! Mas suas opções deixam claro que ele não passa de mais um punhado de massa sujeita não somente as leis divinas e judiciais, mas também as leis da Física!


Todo domingo vamos ao mercado à pé... Aproveitamos para fazer uma boa caminhada e carregar um peso. A quantidade de carros no bairro em pleno domingo é tamanha que não há como pensarmos que muita gente falta ir ao banheiro de carro, por causa da evidente dependência pelo veículo. Mas, somos dotados de livre arbítrio, todo mundo usufrui o direito de escolha e vive suas opções até quando convir não importa os outros... O que os outros pensam só interessa se afetar o Ego e a vaidade do indivíduo...


Mau saímos de nossa rua nos deparamos com um colchão de casal no início da outra. Alguém não queria mais fazer uso do objeto e ao precisar descartá-lo simplesmente o largou no meio da rua! Exatamente naquele ponto - poucos meses atrás - a rua em questão era apenas um beco usado pelos moradores como atalho. A freqüência de viciados ali e a quantidade de lixo jogado fez com que todos se mobilizassem exigindo iluminação pública e asfalto. Mesmo assim, quem tinha o péssimo hábito de jogar lixo naquele local não mudou embora o lugar esteja bastante mudado. Ainda assim continuam com a prática de jogar lixo e quando se acumula muito, ateiam fogo fazendo com que uma enorme quantidade de fumaça invada as casas alheias. 


Ainda estávamos discutindo este assunto no trajeto ao mercado quando se tornou impossível continuar o diálogo: três carros enfileiravam-se - parte na calçada, parte na rua - com seus potentes equipamentos de som ligados! Era ensurdecedor! Nós tivemos que continuar nossa caminhada no meio da rua. Os donos estavam ali batendo um bom papo enquanto as mangueiras que seriam usadas para lavar os veículos encontravam-se jogadas no meio da via escorrendo água à vontade. Não conseguíamos entender como eles conseguiam se ouvir. Não conseguíamos entender porque desperdiçavam tanta água enquanto nos esforçávamos tanto em economizá-la. Não conseguíamos entender porque três veículos estavam com o som ligado num volume tão ensurdecedor e com músicas diferentes. Imaginamos se alguém pelas redondezas precisasse dormir para trabalhar a noite: seria impossível! Chamar a polícia? Ainda se diriam no direito de tal atitude e iriam vasculhar a todo custo para descobrir ao menos um suspeito que tivesse os delatado.




Continuamos nosso caminho e voltamos a conversar quando o som dos carros já não nos impedia mais de ouvirmos nossa própria voz. Era domingo, mas o mercado estava lotado! O estacionamento não estava diferente e a briga por uma vaga estava ferrenha: ainda bem que fomos à pé. Desistimos de possuir um carro: ou chegamos melhor sem ele ou ele será roubado. As filas nos caixas eram longas, mas já que estávamos ali era só esperar a vez. Vez ou outra alguém falava alto, esbravejando palavrões, ofendendo as caixas por causa da demora que ocorria,  por causa da quantidade de clientes e não por causa da ineficiência da caixa.


Quando enfim saímos dali, voltamos para casa rindo, fizemos um bom almoço, nos divertimos muito e quando a noite caiu nos restava apenas um bom sono para começar bem a semana, já que a outra acabava muito bem! Eram três horas da madrugada e a música ensurdecedora voltava a incomodar. Não sabemos se de um carro com caixas acústicas potentes ou se de um dos bailes dos tantos 'Lava-Rápido' do bairro, mas até o burburinho das pessoas ali reunidas espalhavam-se pelo bairro em forma de bacia. A fonte do barulho vinha lá debaixo da avenida principal e aquele barulho todo subia pelas bordas e invadia as casas. Uma noite quente, o interior das casas abafadas, e a única solução foi fechar as janelas para que o som diminuísse. Quem estava ali naquela bagunça não estava nem pensando se alguém nas redondezas tinha que acordar cedo para pegar no batente: o que interessava para aquela gente toda é que estavam se divertindo regados a álcool e drogas!


A massa ocupa espaço de acordo com sua dimensão e estado físico. O ser humano não consegue viver apenas dentro de seu limite demográfico: sempre está invadindo o espaço dos outros. O som de propaga e as atitudes também! Uma única escolha muda não apenas sua vida, mas de muitas outras pessoas!


Uma mulher assassina um cão e mobiliza dezenas de pessoas que se dizem protetoras e amantes de animais. Com um spray escrevem palavras de ordem contra a 'assassina' de animais, gritam e esbravejam em protesto erguendo seus cartazes diante do condomínio onde se localiza o apartamento vazio da acusada. Quem ouve tudo aquilo, quem tem sua fachada pichada, quem tem que absorver a energia negativa de tanto furor são os outros moradores do mesmo condomínio que nunca mataram um animal. Pagam pelo erro de outra pessoa injustamente! Enquanto isso, os tais amantes de animais reagem com a mesma agressividade que matou o animal. Não se dá conta de que suas atitudes os tornam iguais a qualquer criminoso perdendo o senso do que é justiça e o que é vingança. Até site propondo a caça e o linchamento da assassina foi criado!


Alguém viajou para a Europa e descobriu os benefícios e prazeres de trocar o carro de passeio pela bicicleta. Decidiu trazer esta idéia para o Brasil, um país mau distribuído demograficamente, sem educação e sem a devida aplicação das leis. Mesmo sabendo disso, a opção dos ciclistas são as avenidas principais e movimentadas que mais parecem um estacionamento a céu aberto onde todo mundo quer chegar rápido a algum lugar mas ninguém sai de onde está! O porque de não usarem as ruas paralelas fica na imaginação de cada um... Os ônibus querem fazer sua cota de viagens por dia e abusam de suas faixas exclusivas, as motos passam velozes acreditando que as leis de trânsito não servem pra elas, os carros - na maioria das vezes com uma única pessoa - acumula-se a outros ocupando mais espaço. Um ciclista morre no meio desta bagunça então, fazem protesto e param tudo de vez! Quem está com pressa, quem não quer protestar, quem precisa chegar na hora certa tem que sofrer as conseqüências, mesmo sendo bom motorista, mesmo respeitando as leis, mesmo que não tenha nada haver com o ocorrido.


Para resolver o caos no trânsito foi decidido que caminhões não trafeguem mais nas marginais e parece óbvio: a quantidade de caminhões parece proporcional ao de carros de passeios, mas caminhões ocupam mais espaço. Os caminhoneiros não gostaram porque querem cumprir um prazo para fazer suas viagens: quanto mais rápido chegar ao destino, mais rápido consegue outra viagem e com isto ganha mais. Então, simplesmente decidiriam fazer um protesto e, por isso, não estão entregando combustível deixando até serviços essenciais sem abastecimento. A cidade vai parar por conseqüência disto e a população que não criou a proibição é quem terá prejuízo!


O Bem quando praticado cria um efeito em cadeia que vai contagiando outras pessoas, mas o Mal também! Estariam as pessoas praticando mais Mal do que Bem? O problema com nosso sistema humano seria individualidade e egoísmo extremos ou apenas uma tremenda falta de educação? Uma única decisão afeta todos, inclusive quem não criou a situação. É como uma guerra onde civis inocentes acabam perdendo tudo por causa da disputa dos outros.


Viver sua individualidade é um direito, mas não tente desfazer o que é realidade neste mundo Físico: você faz parte de uma corrente, de um sistema e seu direito acaba quando começa o do outro! No seu espaço e apenas no seu você tem seus direitos! Em coletivo a história é outra!


Se as coisas continuarem como estão ou iremos nos exterminar uns aos outros ou retornaremos para o interior das cavernas. Todos precisam estar mais conscientes do que querem e do que fazem sem se esquecer que sua escolha não pode interferir no direito do outro: assim você perde seu direito! Não se pode reagir no mesmo nível que a negatividade pois isso desencadeia uma seqüência negativa: você perde sua razão!


O mundo é para todos sem distinção e ainda há muito espaço para todos conviverem dentro de seus limites, embora esteja sobrando espaço demais nas mentes atuais...




@shimadacoelho

Licença Creative Commons
O trabalho Desenhando Espaços Físicos de Shimada Coelho foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja Bem vindo!
Obrigada por comentar!